Release

“Ele é bom.” (Bucky Pizzarelli)

“Referência do Swing Jazz no Brasil”. (Jornal A Tarde, Salvador)

“Um dos fabulosos talentos do mundo do jazz, um dos mais brilhantes astros na cena.”(Alexandra Djordjevic, Brazilian American Chamber of Commerce Journal)

“Um delicioso mergulho no Swing Jazz, entre releituras e músicas próprias interpretadas com precisão técnica e leveza”(O Globo)

“Notas precisas e sonoridade elegante”(Vinícius Castelli, Diário do Grande ABC)

“Swing Jazz atualizado, com competência e como nos velhos tempos”(Cássio Laranja, Jornal da Orla)

Há uma série de razões para justificar a alcunha que o cantor e guitarrista paulistano recebeu de “Referência de Swing Jazz no Brasil”(Jornal A Tarde, Salvador), porém, não é só por apresentar “notas precisas e sonoridade elegante”(Diário do Grande ABC) ou “uma voz aveludada”(ABC, Asuncion) em seu trabalho, que o músico é capaz de proporcionar um “delicioso mergulho” (O Globo) no estilo. Baldacci escolheu entreter o público, emocionar e trazer para a sua música a delicadeza e alegria de um tempo que parece não mais existir.

O Swing, que esteve no auge nos anos 1930 e 1940, na Era do Rádio e da Segunda Grande Guerra, foi concebida como música para entretenimento, geralmente com grandes orquestras. Baldacci bebe na fonte desta motivação para adaptar para o formato do trio sem bateria, o “drumless trio”, o poder de “swingar” das Big Bands. Acompanhado apenas de contrabaixo e piano, o trio do cantor e guitarrista, mostra-se como uma pequena máquina bem acertada, que cativa o ouvinte em momentos de ternura, bom humor e divertimento. O Cancioneiro Popular Norte-Americano é representado em arranjos espertos, respeitando o papel principal da melodia, mas ainda com muita liberdade de improvisação em intrincados diálogos entre os instrumentistas. Ricardo Baldacci também apresenta suas próprias composições que ficaram conhecidas de seu publico no Brasil e no exterior.

A base de formação do repertório é bastante incomum pois tem como inspiração a primeira e desconhecida fase do trio do cantor e pianista Nat King Cole. Antes da fama como cantor e suas baladas românticas, Cole era musico de jazz e ditou normas com seu jeito de interpretar temas que retratavam o cotidiano em crônicas de letras leves e ousados números instrumentais.

Recentemente, Baldacci tem realizado um novo formato de show além de seu trio, em que se apresenta sozinho, recriando apenas com sua voz e a companheira guitarra acústica de 7 cordas, um instrumento pouco usual no jazz, o clima das gravações da fase áurea de Frank Sinatra nos anos 1950 e 1960 e adaptações das orquestras de Duke Ellington.

Baldacci contabiliza apresentações memoráveis. No Made In New York Jazz Festival (EUA), realizada no Tribecca Arts Center lotado, tocou lado a lado das lendas Lenny White e Randy Brecker. Também teve sua performance aplaudida de pé no Teatro Municipal do XV Festival Internacional de Jazz em Assunção/Paraguai (dos mesmos organizadores do antigo Free Jazz de São Paulo). Foi com seu trio a Suécia, para aprimorar a sua habilidade de entreter uma platéia dançante, e, ao participar do 30o. Aniversário do Festival de Herrang Dance Camp, (o maior e mais tradicional Festival do estilo de dança Lindy Hop), ganhou o prêmio de Swing Battle. No Brasil, foi escolhido pela Radio Eldorado para prestar tributos a Nat King Cole e Frank Sinatra, fez uma série de shows nas redes SESC, SESI, participou de vários festivais, incluindo a Virada Cultural de São Paulo e foi atração fixa dos bares dos respeitosos Maksoud Plaza, Terraço Itália e L’Hotel Porto Bay.

O mais recente trabalho de Ricardo Baldacci é a sua produção, Brothers in Swing (2015), um tributo à família Pizzarelli cujo a historia se confunde com o próprio jazz. Neste álbum, o artista, toca e canta na companhia de um time dos sonhos, a lenda do jazz americano de 91 anos, Bucky Pizzarelli (guitarra); seu filho, Martin Pizzarelli (contra-baixo); e do australiano Konrad Paszkudzki (piano), nomes icônicos. Gravado em duas sessões no Queens, NY, pelo experiente Bill Moss, um dos mais requisitados engenheiros de som do Jazz, o CD acontece em clima de espontaneidade e camaradagem e tem o ritmo como marca registrada. 

Em Maio de 2014, Ricardo Baldacci, recebeu um convite do baterista Lenny White (Chick Corea, Return to Forever), e foi uma das atrações do Made In New York Jazz Festival (EUA). Foi apresentado pela imprensa local americana (Brazilian American Chamber of Commerce Journal) como “um fabuloso talento do mundo do jazz” e “um dos mais brilhantes astros na cena”. Ainda neste ano, no segundo semestre, sua apresentação no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, rendeu ao espaço um dos recordes de público.

No segundo semestre de 2013, Ricardo produziu e lançou o álbum ‘Tain’t what you do, it’s the way that you do it’, seu primeiro disco com distribuição nacional e internacional (Tratore) que teve a participação do trio vocal sueco, The Hebbe Sister. Neste CD, o cantor/guitarrista resumiu suas então recentes apresentações, com clássicos e composições autorais. O álbum conta com o premiado pianista virtuoso, Hercules Gomes, e com Ricardo Ramos no contrabaixo acústico. Este material foi atração na Rádio Eldorado (JazzMasters e A Cara do Jazz) e USP FM (Jazz Caravan). Além disso, o CD recebeu menção e críticas positivas em uma série de veículos, entre eles os jornais O Globo (Rio de Janeiro/RJ), A Tarde (Salvador/BA) e Hoje em Dia (Belo Horizonte/MG).

Num 2012 movimentado, o Ricardo Baldacci Trio se apresentou em diversos espetáculos no interior de São Paulo e Minas Gerais, foi atração no Festival de Jazz do Paraguai com seu tributo ao Nat King Cole Trio e na Suécia, se apresentou sob direção artística da respeitada Carling Family em Herrang. O cantor/guitarrista também se consolidou como um dos artistas expoentes da comunidade internacional de Lindy Hop, ao participar do LHAIF 2013 (Festival Internacional de Lindy Hop da Argentina), e BSOE (Brazil Swing Out Extravaganza).

Ricardo já tocou ao lado da lenda Bucky Pizzarelli (guitarra/EUA), Howard Alden (guitarra/EUA), Swami Jr. (violão/BRA) Randy Brecker (trompete/EUA), Lenny White (bateria/EUA), Martin Pizzarelli (baixo/EUA), Larry Fuller (piano/USA), Konrad Paszkudzki (piano/AUS), Tony Tedesco (bateria/USA), Ken Peplowisky (clarinete/USA), Omar Izar (gaita/Brasil), Max Carling (clarinete/SUE), Chester Whitmore (sapateado/EUA), Lee Fish (bateria/EUA), Judi D. (voz/EUA), Pablo Elorza (contrabaixo/ARG), Evgeny Lebedev (piano/RUS), The Hebbe Sisters (voz/SUE), Juan Klappenbach (sax/ARG), Lina Stalyte (voz/LIT), Roque Monsalve (guitarra/ARG), Michel Leme (guitarra/BRA), Alex Molleff (sax/RUS), Joseval Paes (guitarra/BRA).

Alguns músicos que já colaboraram com Ricardo Baldacci como os contrabaixistas: Thiago Alves, Felipe Gianei, Vanessa Ferreira e Ricardo Ramos; e os pianistas Hercules Gomes, Michel Santos, Daniel Grajew, Leandro Cabral, Ricardo Castellanos, Sidney Ferraz, Giba Estebez e Billy Magno.

Download em PDF pdf

 

Anúncios